O acidente que ficou conhecido como Crash-4 ocorreu em junho de 2019, na região Norte de Portugal, envolvendo um ônibus turístico e um veículo ligeiro. O saldo de vítimas foi alarmante: 29 pessoas mortas e outras 16 gravemente feridas.

Desde então, foram iniciados processos legais e criminais para apurar as responsabilidades pelo ocorrido e garantir a justiça às vítimas e suas famílias. E é sobre as últimas novidades desse julgamento que vamos falar agora.

O Tribunal Judicial de Vila Real é o responsável pelo julgamento dos acusados no caso Crash-4. São três os réus: o motorista do ônibus, o motorista do veículo ligeiro e a empresa proprietária do ônibus. Cada um deles responde por diferentes acusações, entre elas homicídio e lesão corporal por negligência.

Assim como em todos os processos criminais, o julgamento do Crash-4 vem passando por diversas etapas, incluindo audiências, diligências, perícias e depoimentos. Até o momento, algumas das informações mais relevantes que foram divulgadas nos meios de comunicação incluem:

- O relatório da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária apontou que o ônibus trafegava com excesso de velocidade no momento do acidente e que o motorista não conseguiu frear a tempo de evitar a colisão com o veículo ligeiro, que invadiu a faixa contrária.

- Algumas testemunhas relataram durante as audiências que os passageiros do ônibus estavam sem cinto de segurança e que várias malas estavam soltas e caíram sobre as pessoas durante a colisão.

- Um dos advogados de defesa da empresa proprietária do ônibus afirmou que o veículo passou por uma revisão mecânica e elétrica poucos dias antes do acidente e que tudo estava em ordem.

Mas ainda há muitas lacunas a serem preenchidas no julgamento do Crash-4. Entre as questões que aguardam respostas estão:

- Qual foi a causa exata da invasão de faixa por parte do veículo ligeiro?

- Qual a responsabilidade do motorista desse veículo no acidente?

- Se o motorista do ônibus já havia sido notificado por excesso de velocidade anteriormente, por que a empresa permitiu que ele continuasse a conduzir o veículo?

- Quais as medidas que serão tomadas em relação às viúvas, órfãos e demais familiares das vítimas, bem como em relação aos sobreviventes?

É importante lembrar que, por trás de todos os processos legais e criminais, há um aspecto humano que não pode ser ignorado: a dor e o sofrimento das vítimas e de seus entes queridos. Por isso, além das indenizações a serem pagas, é preciso que a justiça seja feita de maneira plena e que sejam adotadas medidas para evitar que tragédias como essa voltem a acontecer.

Ainda não há previsão de quando o julgamento do Crash-4 será concluído, mas é certo que o processo continuará sendo acompanhado de perto pela imprensa e pela sociedade. Aguardemos as próximas etapas e torçamos para que nenhum outro acidente como esse aconteça novamente em nosso país.